Pedagogos ensinam a superar os desafios da alfabetização em casa

É possível alfabetizar uma criança em casa? A pandemia impactou a Educação de uma maneira nunca vista, até então. Crianças estão em casa assistindo aulas por vídeos, professores que nunca pensaram em encarar as câmeras tiveram que se reinventar e investir em criatividade na hora de transmitir o conteúdo online, escolas precisaram pensar em estratégias para estarem mais próximas dos estudantes e de suas famílias.

Do outro lado da tela, estudantes e pais se sentem cansados, preocupados com o desenvolvimento e rendimento que essa nova realidade escolar traz para dentro de casa.

E quando as aulas são voltadas para a educação infantil, conquistar a atenção dos pequenos é um desafio ainda maior, sobretudo, porque estão acostumados a interagirem com outras crianças com aulas compostas por cores, tintas, papéis coloridos, personagens, brinquedos e música. Alfabetizar em casa é um desafio com os quais as famílias passaram a ter que lidar, em sua grande parte, sem ter preparo (e paciência) para isso.

Nesse cenário, a divisão das responsabilidades e os papéis de familiares e de educadores tiveram que ser repensados. A inauguração da inusitada realidade do ensino remoto também dividiu, com a comunidade escolar, desafios, tensões, expectativas e sentimentos.

Em entrevista recente a repórter Izabel Seehaber, do jornal Bom Dia, a doutora em Educação e especialista em Alfabetização, Zoraia Aguiar Bittencourt, deu algumas dicas sobre como tornar a experiência menos complexa para todos.

“Especificamente em relação às turmas de alfabetização, estamos lidando com uma significativa ruptura da vida escolar no 1º ano do Ensino Fundamental para crianças recém-vindas da Educação Infantil que estavam em pleno processo de conhecimento de uma nova rotina escolar. Mediar a construção do conhecimento da leitura e da escrita dos sujeitos que a ela recorrem, oportunizando que eles aprendam a ler, a escrever e a contar. Sendo assim, avançamos no acesso à educação, mas ainda precisamos evoluir na permanência dessas crianças na escola e na aprendizagem efetiva de todas elas”, afirmou a especialista em Alfabetização, Zoraia Aguiar Bittencourt.

Como tornar o processo de alfabetização menos traumático em tempos de distanciamento social

As crianças começam com o processo de letramento muito
antes do período letivo da alfabetização. Na verdade, na série de
alfabetização elas irão desenvolver a formalização da escrita e da leitura. Séries como o Maternal 1 e 2, Pré 1 e 2, já inserem números, cores, letras e formas na vida das crianças.

De acordo com Sônia Teixeira, psicopedagoga do Centro Educacional Miraflores, no Rio de Janeiro, as crianças imersas em uma sociedade letrada aprenderão certamente a ler e a escrever. As crianças precisam de estímulo, de acesso, de oportunidades e principalmente de encorajamento, pois aprender a ler e a escrever não é tarefa fácil. Mas pode e deve, ser um processo divertido e motivador.

“O principal desafio da alfabetização em casa diz respeito ao estímulo sonoro e visual das sílabas, a aprendizagem da relação da escrita com a sonoridade dos “pedacinhos das palavras”, a percepção da escrita, do texto à sílaba. Além, é claro, da troca com os colegas e com a professora. A aprendizagem precisa ser significativa, fazer sentido para a criança, pois isso a impulsiona rumo a alfabetização, destacando o valor social da escrita e da leitura”, afirma a psicopedagoga do Miraflores.

Sônia Teixeira conta que, o principal desafio da alfabetização em casa diz respeito ao estímulo sonoro e visual das sílabas, a aprendizagem da relação da escrita com a sonoridade dos “pedacinhos das palavras”, a percepção da escrita, do texto à sílaba. Além, é claro,  da troca com os colegas e com a professora. A aprendizagem precisa ser significativa, fazer sentido para a criança, pois isso a impulsiona rumo a alfabetização, destacando o valor social da escrita e da leitura.

Falta paciência. Falta tempo. Sobra tensão.

Já são quase 200 dias sem aulas. Já são quase 200 dias com elas em casa. Muitos pais já estão sem paciência para alfabetizar em casa. Recentemente, um bilhetinho de uma aluna para sua professora consternou o Brasil e acendeu o alerta para as dificuldades que as crianças e os professores estão tendo: nele, a menina pedia desculpas por não ter feito o dever de casa. Ela escreveu: “ninguém quis fazer o dever comigo”. Uma situação que veladamente vem acontecendo em muitas casas.

Os pais se tornaram junto com os professores protagonistas no acompanhamento de perto as tarefas escolares. E como tornar o processo de aprendizado contínuo? A resposta vem da pedagoga e coordenadora da Educação Infantil e Ensino Fundamental do Elite Rede de Ensino, Nathália Cardoso Ferrari da Silveira.

“As famílias precisam entendam que as crianças de hoje possuem uma realidade diferente de tempos atrás. Estar longe do ambiente escolar, com profissionais preparados para essa tarefa, sem dúvida é outro fator desafiador. Além de criar atividades para os alunos, professores precisam buscar novas maneiras de orientar às famílias em como proceder nesse momento. E, claro, conciliar a rotina dos responsáveis com a da escola. Que sem dúvida colocou nossas famílias como principais agentes deste processo. Porém, o mais importante de tudo é ter sensibilidade e parceria entre família e escola para que nas constantes trocas sejam criados estímulos corretos e dentro da realidade”, explica a coordenadora da Educação Infantil e Ensino Fundamental do Elite Rede de Ensino.

O contato presencial e estabelecimento de vínculo afetivo com o professor, e a interação social com os colegas de turma também é fator importante no processo de alfabetização. No entanto, além do distanciamento social imposto pela pandemia de coronavírus, a situação econômica de algumas famílias tornou a educação infantil ainda mais distante: a retirada das crianças da escola.

“Entendemos a situação em que as famílias estão passando nesse momento. Enquanto escola precisamos repensar nosso modelo educativo e traçar novas estratégias para garantir que nossos alunos não tivessem tantas lacunas de aprendizagem por causa do novo cenário. Toda criança tem direito à educação e tirar a rotina escolar não pode ser a solução para o problema que estamos enfrentando. Entre em contato com a escola e tente uma nova forma de negociação. Busque um novo ambiente de aprendizado se necessário – que atenda a realidade do momento. Mas, não ter um profissional especializado indicando os objetivos indispensáveis não é o melhor caminho”, orienta Nathália Cardoso Ferrari da Silveira.

Estudar em casa, seja em que série for,
exige alguns cuidados

📒 Manter uma rotina mínima de horários – criar um quadro visual com a participação das crianças é uma ótima oportunidade de envolvê-la no processo para cumprir  as tarefas. Monte um quadro e deixe em lugar de acesso à criança, para que ela perceba os períodos de tempo para cada tarefa, inclusive as brincadeiras. Trabalhar com previsibilidade ajuda a diminuir a ansiedade e auxilia a criança para o próximo passo durante o dia.

📒 Organizar todo o material do dia seguinte, mantendo tudo a mão, impede distrações como andar pela casa, para pegar lápis, cadernos.

📒Intervalos regulares para movimentar o corpo,  a criança precisa caminhar um pouco, esticar o corpo, alongar, o que pode ser feito junto com a família, mantendo um vínculo de respeito e entendimento pelo momento do estudo. Os pais, na medida do possível, que também estão em home office, poderão participar desses pequenos intervalos, propondo alongamentos diferentes e engraçados.

📒 Oferecer o auxílio e a supervisão dos pais é fundamental, mesmo que não possam estar sentados ao lado da criança todo o tempo, mas ela precisa saber onde e quem acessar na hora da dúvida, da frustração e do preenchimento dos exercícios. Uma dica é auxiliar no entendimento do enunciado da tarefa e permitir que ela responda. Favorecer a autonomia para que ela responda, arrisque- se e erre é importante nesse momento.

Fonte: Centro Educacional Miraflores

Facebook Comments

Deixe seu comentário

Comentar

1 Trackback / Pingback

  1. Atividades lúdicas ajudam e estimulam a alfabetização em casa | Blog Materno - Mãe em Dupla Jornada

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.