Mentoring: ferramenta ajuda a expandir carreira das mulheres empreendedoras

Beth Godoy é mentora motivacional desde fevereiro de 2018 e seu trabalho esta pautado em ajudar mulheres e mães empreendedoras que desejam se redescobrir para atingir objetivos concretos em suas vidas.

Foto do perfil de Beth Godoy
Beth Godoy ajuda mulheres a terem uma vida profissional feliz

Ela tambem desenvolve mentoria para jovens universitários ou do Ensino Médio, onde adquirem melhor planejamento, autoconhecimento, organização do tempo e foco para atingir suas metas.

A pedido do Mãe em Dupla Jornada, Beth Godoy preparou dicas exclusivas e valiosas sobre empreendedorismo feminino. Leia até o final

Empreendedorismo feminino: 4 dicas que toda empreendedora deve saber

  1. Sim, você é capaz, seu gênero não determina o seu fracasso ou o seu sucesso.
  2. Pense menos e aja mais. Quem determina seu fracasso ou seu sucesso são as suas ações.
  3. Empreender dá muito trabalho e não é um mar de rosas, mas se você sabe o que quer e aprecia uma vida dinâmica, saiba que traz uma enorme satisfação.
  4. Cerque-se de pessoas que já chegaram aonde você quer chegar e aprenda com seus erros e acertos.

Quais são as chaves para a felicidade dentro do empreendedorismo?

Em primeiro lugar, trabalhar com paixão, pois quando fazemos o que amamos somos capazes de superar qualquer obstáculo.

Dia do empreendedorismo feminino: na crise, é preciso celebrar as mulheres

Confiar em si mesmo e acreditar na sua intuição. Não sabemos exatamente quantos passos são necessários para atingir nosso objetivo e, se perdemos a autoconfiança, a coragem e o foco, podemos parar a apenas um passo antes de atingi-lo.

Saber de antemão que nada é fácil, não crie falsas esperanças de que seu dia a dia não será desafiador, muito pelo contrário. Empreender requer muita energia e disposição, vontade de fazer acontecer.

Como se libertar do medo de seguir uma nova carreira, abrir um negócio?

Investir no seu autoconhecimento, para descobrir o que ama de fato e identificar mais claramente suas habilidades. Em seguida, identificar a rotina do negócio que pretende abrir, para avaliar se ele realmente se adéqua às suas necessidades e expectativas.

Metade das mulheres empreendedoras no Brasil são “chefes de domicílio” -  Pequenas Empresas Grandes Negócios | Mulheres empreendedoras

Planejar-se financeiramente para este momento de mudança, quando possível, também deve ser levado em consideração, principalmente para aquelas pessoas que são mais avessas ao risco e prezam mais pela estabilidade.

Família, vida pessoal, filhos, carreira. Como a mulher pode lidar com tantos sentimentos e emoções de forma positiva?

Em primeiro lugar, deixando de se cobrar tanto e de querer ser a mulher maravilha que faz tudo, absolutamente tudo, com perfeição. Isso não existe! Não se coloque metas inatingíveis, caso contrário sua vida será uma eterna frustração.

Mulheres não são mais multitarefas do que homens, afirma pesquisa

Temos sim, que estabelecer as nossas prioridades e definir muito bem o tempo a ser dedicado a cada área que julgamos importantes na nossa vida. E cada um tem a sua prioridade, não adianta querer copiar a vida de outra pessoa.

Precisamos desempenhar muitos papéis (mãe, irmã, filha, esposa, amiga, trabalhadora) e isso é ótimo, porque nem sempre todos os papéis estarão no seu melhor, então um compensa o outro. Com essa variedade, sempre haverá um motivo para celebrar e sentir satisfação. Não devemos colocar todas as nossas fichas em apenas um papel, pois se esse único papel passa por um período ruim ou por uma mudança radical, teremos a falsa sensação de que toda nossa vida está ruim, o que não é verdade. É a velha história, você pode olhar para o copo meio cheio ou meio vazio, e garanto que é sempre melhor ter uma visão mais positiva.

Saliento também que nada em exagero é positivo, é sim viável conciliar sua vida pessoal com seus hobbies, relacionamentos, filhos, com a vida profissional e seus cursos, reuniões, viagens, etc. Para isso, é necessário um bom planejamento, disciplina e também saber dizer uma palavra muito importante: Não!

Apesar das características peculiares da liderança feminina, muitas mulheres ainda encontram barreiras mentais para seguir adiante com um projeto. Quais são os maiores medos delas e como superar.

Mulheres são excelentes líderes, assim como os homens também o são. Na verdade, eu nunca me atenho ao gênero quando abordo esse assunto ou pensei dessa forma em qualquer momento durante minha carreira.

Programa de mentoria em liderança feminina conecta CEO'S brasileiras e  estudantes universitárias - Época Negócios | Carreira

Lembro uma ocasião, quando ainda estava na faculdade de Administração, e estava em dúvida sobre qual oportunidade de emprego aceitar entre duas que surgiram. Uma, na White Martins, no setor de RH e outra na Gillette, no setor de produção. Decidi pedir a opinião do meu pai e ele me aconselhou a aceitar a vaga da White Martins, pois julgava que o setor de RH era mais adequado às mulheres, que eu não me daria tão bem em um setor de produção. No ato tomei minha decisão, fui para o setor de produção da Gillette, a primeira mulher a ocupar a função até então, só para mostrar ao meu pai que eu era capaz sim! (risos). E fui muito feliz lá, inclusive meu desempenho foi tão bom que, a partir de então, a Diretoria passou a exigir a contratação de mais mulheres para a área.

Sempre desempenhei papéis de liderança, tenham sido eles formais ou não, e nunca me impus uma barreira mental, sempre amei ser desafiada e encaro os desafios de frente, apesar daquele “medinho” de encarar algo novo, o que é totalmente normal.

Nunca me privei de colocar minha opinião ou de me impor por ser mulher, isso nunca nem passou pela minha cabeça, então creio que essa postura sempre me ajudou a ser respeitada e ouvida, inclusive quando estava trabalhando em um ambiente de maioria masculina.

Algumas mulheres possuem a crença que de que são menos capazes, de que dependem de um homem para conseguir realizar o que pretendem. Temem ser frágeis e menosprezadas, não serem ouvidas ou não dar conta do recado. Nada disso é verdade, são apenas pensamentos negativos que impedem seu crescimento e sua realização pessoal e profissional.

Uma excelente forma de superar seus medos é agir, é seguir adiante com medo mesmo, tendo fé de que conseguirá o que deseja e entendendo que a incerteza faz parte da vida. Não se deixe paralisar e permita-se viver novas experiências! O máximo que vai acontecer é errar, e nada melhor para nosso crescimento pessoal do que aprender com nossos erros, não é mesmo?

Como o processo de coaching ajuda a alavancar as carreiras?

Em primeiro lugar, o processo de Coaching proporciona autoconhecimento, a chave para identificarmos o que possuímos de bom e em que precisamos melhorar. Segundo, é um momento que dispomos para refletir sobre nossas ações, sobre como estamos conduzindo nossa vida e sobre como estamos reagindo aos acontecimentos.

Mulher palestrando Fotografias de Banco de Imagens, Imagens Livres de  Direitos Autorais Mulher palestrando | Depositphotos®

Tudo isso é fundamental para avaliarmos qual o próximo degrau que queremos alcançar. O Mentor, ou Coach, com seu olhar externo, irá auxiliar nesse processo de crescimento e também será capaz de traçar uma estratégia, um planejamento, para que seus próximos objetivos sejam alcançados com mais assertividade e rapidez.

O processo de Coaching é transformador e nos torna seres humanos melhores, consequentemente melhorando a qualidade da nossa vida de uma forma geral.

Conte como nasceu o seu negócio é qual o perfil público que atende hoje em dia. Um texto contando sua história já está ótimo.

Sou formada em Administração de Empresas pela UFRJ, pós-graduada em Finanças pelo IBMEC e trabalhei por mais de 20 anos no mercado financeiro, atendendo empresas brasileiras e multinacionais de grande porte. Sou casada há 26 anos e tenho 3 filhos, a mais velha de 19 anos e gêmeos de 11 anos.

Desde a época do Ensino Médio, nunca soube muito claramente o que queria fazer profissionalmente, pois sempre fui muito curiosa sobre tudo e todos os testes vocacionais que fazia, apontavam para inúmeras possibilidades.

Por este motivo, terminei optando por Administração, por julgar ser um curso mais amplo que me ajudaria a escolher um seguimento. Tive a certeza ao longo do curso que a única área que não queria atuar era a Financeira, pois apesar de me dar muito bem nas matérias, não me interessava muito.

Mas ao me formar, foi justamente a oportunidade de ser “Trainee Gerencial” em um Banco estrangeiro que fez a minha cabeça em função, principalmente, do salário e benefícios oferecidos que superavam em muito as oportunidades em outras áreas.

E assim, iniciei minha carreira no Mercado Financeiro, embora nunca tenha me apaixonado pelo que fazia. Sempre achei que trabalhar com paixão era uma satisfação restrita aos artistas e apresentadores de TV, uma crença errada que nem sei bem de onde surgiu.

Apesar de bem sucedida no Banco, sempre firmei uma batalha interna comigo mesma, pois invariavelmente me sentia infeliz. Após mais de 20 anos, quando finalmente saí do Banco, passei a me dedicar aos filhos, à casa e à família. Mas quando meus gêmeos entraram na escola, um imenso vazio profissional tomou conta de mim.

Eu me sentia completamente perdida, querendo muito voltar à ativa sem saber nem por onde começar, nem em que área atuar, voltei às minhas questões da adolescência!

Foi quando uma amiga me convidou para fazer um processo de Coaching com ela e eu me agarrei àquela oportunidade como uma luz no fim do túnel! E foi esse processo que me fez despertar para a minha verdadeira paixão! Ajudar os outros, liderá-los, mentorá-los e fazê-los enxergar seu potencial, transformando suas vidas!

Hoje eu sou completamente apaixonada pelo que faço e me realizo imensamente ao ver as conquistas e transformações dos meus clientes. Saber que desempenhei uma pequena parte nesta transformação é o que me motiva diariamente!

E o público que atendo hoje é composto justamente por pessoas que de alguma forma estão passando por algo que eu já passei. São homens e mulheres de meia-idade insatisfeitos com sua profissão ou carreira, jovens universitários em dúvida sobre que caminho seguir na busca pelo primeiro emprego ou insatisfeitos com a graduação escolhida, e jovens do Ensino Médio insatisfeitos com seu desempenho escolar ou sem saber ao certo que profissão escolher.

É como dizem, Mentor (ou Coach) é aquele que já trilhou o caminho, já passou por onde você tem que passar. E é isso que eu faço, uso minha experiência de vida pessoal e profissional para trilhar com meus clientes o início do seu novo caminho!

Facebook Comments

Deixe seu comentário

Comentar

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.