Autismo: o que você precisa saber sobre esta doença

O transtorno do espectro autista (TEA) afeta a forma como a criança se comunica e interage com o mundo com impactos na socialização, linguagem e comportamento. A data 02 de Abril como o dia de conscientização e orientação mundial sobre esta doença, que estima-se comprometa 1 a cada 160 crianças no mundo, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS).

No entanto, o nível de funções cognitivas e intelectuais de autistas é variável. Pesquisas no Reino Unido voltas para autismo em #mulheres sugerem que milhares delas convivem com austismo sem sequer saberem disso. Muitos pacientes diganosticados com autismo também tendem a apresentar outros problemas de saúde mental.

♦ Dez sinais de alerta ♦
O universo infantil é muito vasto, por isso os psicólogos e neuropsicólogos André Luiz de Sousa, Cindy Mourão, Regina Viana Nojoza e Luciana Mello Di Benedetto, do Ambulatório de Diagnóstico da instituição, ajudam a identificar sinais de alerta para casos de autismo.

1. A criança não olha quando é chamada pelo nome ou não sustenta o olhar.

2. Não interagir com outras pessoas.

3. Bebês que não fazem jogo de imitação.

4. A criança pode parecer desatenta.

5. Não demonstra interesse ou não entende brincadeiras.

6. Atraso na fala.

7. Não usa as mãos para indicar algo que quer.

8. Fica incomoda com barulhos, não gosta do toque de outras pessoas.

9. A criança não “faz de conta” com historinhas. Suas brincadeiras costumam ser solitárias e com partes de brinquedos, como a roda de um carrinho ou algum botão.

10. Movimentos estereotipados: chacoalhar as mãos, balançar-se para frente e para trás, correr de um lado para outro, pular ou girar sem motivos aparentes.

TRATAMENTO PARA CASOS DE AUTISMO

Não há medicação específica para o TEA, mas há casos em que são necessárias medicações para controlar insônia, hiperatividade, impulsividade, irritabilidade, atitudes agressivas, falta de atenção, ansiedade, depressão, sintomas obsessivos, raiva e comportamentos repetitivos. Em alguns casos, o indivíduo desenvolve problemas psiquiátricos.

Com informações da Revista IstoÉ
Foto: iStock/Ilustração

Facebook Comments

Deixe seu comentário

Comentar

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.